29 de dez de 2016

Desejo primeiro que você ame


Meu texto favorito, minha leitura, minha oração de todas as noites. É preciso acreditar na renovação da fé, na restauração da paz e descobrir de que forma podemos colaborar para um mundo melhor.   Então, eis aí meu desejo para você que acabou de entrar nesta página por acaso ou  por querer. 
Os Votos
Sérgio Jokyman 
Pois desejo primeiro que você ame e que amando, seja também amado.
E que se não o for, seja breve em esquecer e esquecendo não guarde mágoa.
Desejo depois que não seja só, mas que se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos e que mesmo maus e inconsequentes sejam corajosos e fiéis.
E que em pelo menos um deles você possa confiar e que confiando não duvide de sua confiança.
E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha inimigos, nem muitos nem poucos, mas na medida exata para que algumas vezes você interpele a respeito de suas próprias certezas.

E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo para que você não se sinta demasiadamente seguro.
Desejo depois que você seja útil, não insubstituívelmente útil mas razoavelmente útil. E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante, não com que os que erram pouco, porque isso é fácil, mas com aqueles que erram muito e irremediavelmente. E que essa tolerância nem se transforme em aplauso nem em permissividade, para que assim fazendo um bom uso dela, você dê também um exemplo para os outros.

Desejo que você sendo jovem não amadureça depressa demais, e que sendo maduro não insista em rejuvenescer, e que sendo velho não se dedique a desesperar. Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e é preciso deixar que eles escorram dentro de nós.

Desejo por sinal que você seja triste, não o ano todo, nem um mês e muito menos uma semana,
mas um dia. Mas que nesse dia de tristeza, você descubra que o riso diário é bom, o riso habitual é insosso e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra com o máximo de urgência, acima e a despeito de tudo, talvez agora mesmo, mas se for impossível amanhã de manhã, que existem oprimidos, injustiçados e infelizes. E que estão estão à sua volta, porque seu pai aceitou conviver com eles. E que eles continuarão à volta de seus filhos, se você achar a convivência inevitável.

Desejo ainda que você afague um gato, que alimente um cão e ouça pelo menos um João-de-barro erguer triunfante seu canto matinal. Porque assim você se sentirá bom por nada.

Desejo também que você plante uma semente por mais ridículo que seja e acompanhe seu crescimento dia a dia, para que você saiba de quantas muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro porque é preciso ser prático. E que pelo menos uma vez por ano você ponha uma porção dele na sua frente e diga: Isto é meu. Só para que fique claro quem é o dono de quem.

Desejo ainda que você seja frugal, não inteiramente frugal, não obcecadamente frugal, mas apenas usualmente frugal. Mas que essa frugalidade não impeça você de abusar quando o abuso se impuser.
Desejo também que nenhum de seus afetos morra, por ele e por você. Mas que se morrer, você possa chorar sem se culpar e sofrer sem se lamentar.

Desejo por fim que, sendo mulher, você tenha um bom homem e que sendo homem tenha uma boa mulher. E que se amem hoje, amanhã, depois, no dia seguinte, mais uma vez e novamente de agora até o próximo ano acabar. E que quando estiverem exaustos e sorridentes, ainda tenham amor pra recomeçar.
E se isso só acontecer, não tenho mais nada para desejar.


Fonte: emiliopacheco.blogspot.com.br

16 de set de 2016

Bolo de Chocolate e Vinho Tinto

O vinho lava nossas inquietações, enxuga a alma até o fundo, e, entre outras coisas, garante a cura da tristeza.
Sêneca


E segundo o bolg:  technicolorkitchen  O vinho também adicionado ao bolo, deixa-o mais intenso, dá maior profundidade a sabor do chocolate e ainda torna a textura do bolo absolutamente macia, e você  nem  sente o sabor da bebida exatamente.   Garanto!  Tudo com vinho fica bem mais gostoso.


Foto reprodução
Bolo de chocolate e vinho tinto

- xícara medidora de 240ml

Bolo:
200g de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de cacau em pó, sem adição de açúcar + um pouquinho a mais para polvilhar a forma
1 colher (chá) de fermento em pó
½ colher (chá) de bicarbonato de sódio
1/8 colher (chá) de sal
200g de manteiga sem sal, amolecida
1 xícara (200g) de açúcar cristal
4 ovos
1 colher (chá) de extrato de baunilha
200g de chocolate meio-amargo, derretido e frio – usei um com 53% de cacau
½ xícara (120ml) de leite integral, temperatura ambiente
½ xícara (120ml) de vinho tinto, temperatura ambiente

Calda:
2 ½ colheres (sopa) de manteiga sem sal, temperatura ambiente
2 colheres (sopa) de leite integral, temperatura ambiente
2 colheres (sopa) de cacau em pó, sem adição de açúcar, peneirado – meça, depois peneire
2 colheres (sopa) de açúcar cristal


Como fazer:
Preaqueça o forno a 180°C. Unte generosamente com manteiga uma forma de furo central do tipo Bundt com capacidade para 10 xícaras de massa, polvilhe-a com cacau e retire o excesso. Em uma tigela média, peneire juntos a farinha, o cacau, o fermento, o bicarbonato e o sal. Reserve.



Usando a batedeira, bata a manteiga e o açúcar até obter um creme claro e fofo. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição (raspe as laterais da tigela depois de cada adição). Junte a baunilha. Em velocidade baixa, adicione o chocolate derretido e incorpore. Ainda em velocidade baixa, adicione metade dos ingredientes peneirados, seguidos pelo leite e pelo vinho, e finalize com o restante dos ingredientes peneirados – vá raspando as laterais da tigela entre cada adição. Bata somente até incorporar os ingredientes. 



Calda: coloque todos os ingredientes em uma panelinha e leve ao fogo médio-alto, mexendo, até que a manteiga derreta e o açúcar dissolva. Ferva por 2-3 minutos ou até que fique brilhante e engrosse levemente. Retire do fogo, deixe esfriar por 2-3 minutos e espalhe sobre o bolo.
Rend.: 8-10 porções

6 de set de 2016

Borboletas

Borboletas



                         
Quando depositamos
 muita confiança ou expectativas
em uma pessoa, o risco de se
 decepcionar é grande.

As pessoas não estão neste mundo
 para satisfazer as nossas expectativas,
 assim como não estamos aqui,
 para satisfazer as dela.




 Temos  que nos bastar... Nos bastar sempre. 
E quando  procurarmos estar  com alguém,
temos que nos conscientizar
 de que estamos juntos 
porque gostamos e nos sentimos bem,
nunca por precisar desse alguém.


As pessoas não se precisam. Elas se completam...
Não por serem metades, mas por serem inteiras,
dispostas a dividir objetivos comuns,
alegrias e vida.



Com o tempo, você vai
percebendo que para ser
feliz com outras pessoas, 
você necessita, em primeiro lugar,
 não precisar dela.

O segredo é não cuidar
das borboletas, mas zelar
do jardim para que elas 
venham até você.

Autor desconhecido

26 de ago de 2016

O Vento e seu elo metafórico






Que o  vento é o ar em movimento, todos já sabemos. E não é desse fenômeno que estou a pensar.  Mas desse vento figura, que com seu ímpeto comparativo ou mesmo metafórico traduz pensamentos, ações e percepções. Essa palavra tão quebrada em seu sentido habitual e tão transformada em elos  entre o captar de uma realidade e a criatividade de expressá-los em textos. Adoro o vento descrito nas músicas nos poemas, em todos os textos. 

 Tu gostas de estar sob as árvores no outono,
 Porque tudo está meio morto.
O vento move-se como um coxo por entre as folhas
E repete palavras sem sentido.

 Wallace Stevens em: O Motivo para a Metáfora


 As paixões são os ventos que enfunam as velas dos barcos, elas fazem-nos naufragar, por vezes, 
mas sem elas, eles não poderiam singrar.
Voltaire

 A distância é como os ventos: apaga as velas e acende as grandes fogueiras.
 François La Rochefoucauld

 Quando os ventos de mudança sopram, 
umas pessoas levantam barreiras, 
outras constroem moinhos de vento.
Érico Veríssimo

 Os ventos e as ondas estão sempre do lado dos navegadores mais competentes.
 Edward Gibbon

 As esplêndidas fortunas - como os ventos impetuosos - provocam grandes naufrágios.
 Plutarco

 Muitos ventos sopram. Dentro e fora de mim uivam lobos que não sou.
 Urhacy Faustino

 Ventos exibidos, que cantam fortes, uivantes, também desafinam...
Leila Míccolis

 Os tristes acham que o vento geme.
Os alegras acham que ele canta!
 Luiz Fernando Veríssimo

 Paixão deve ser coisa discreta, calada, centrada. 
Se você começa a espalhar aos sete ventos, crau, dá errado.
Caio Fernando Abreu

O Vento na Ilha
Saudades imensas!

 O vento é um cavalo
 Ouça como ele corre
 Pelo mar, pelo céu.
 Quer me levar: escuta
como recorre ao mundo
 para me levar para longe.

 Me esconde em teus braços
por somente esta noite,
enquanto a chuva rompe
 contra o mar e a terra 
sua boca inumerável.

 Escuta como o vento
 me chama calopando
 para me levar para longe.

 Pablo Neruda

8 de jul de 2016

#Palavras Positivas #Tome Decisões

Gosto deste texto. Encontrei-o no site:learn-portuguese-now

Quem aprende cedo a tomar decisões na vida, fica livre da tensão de ter que decidir vez após vez sobre um mesmo assunto.

Quando você deixa claro os princípios nos quais acredita - e procura agir de acordo - aos poucos vai conquistando a confiança dos que te conhecem mais de perto.

Com o passar do tempo, seus amigos sabem exatamente o que devem ou não lhe oferecer, pois conhecem os limites de conduta que você já estabeleceu para si.

Estabeleça o quanto antes a linha divisória da qual você não passará. Assim, quando estiver sob tensão, sentindo-se só ou em momentos de desânimo, sua segurança estará a salvo.

Freqüente locais que lhe facilitem viver de acordo com seus ideais. Procure a companhia de pessoas que vivam padrões elevados aos seus. Busque influenciar mais do que ser influenciado.

Abstenha-se de tudo que desperte instintos inferiores ou que possa diminuir seu grau de consciência.

Verdadeiramente livre é quem decide por conta própria como irá preservar a própria liberdade.

6 de jul de 2016

Nezim - Um jardinense criativo

Exposição do carro de Nezim na 1ª Expoart da E.E.M Dr. Romão Sampaio- 1999


Desde o surgimento da raça humana o homem tem procurado desenvolver-se no tempo e no espaço, passando a estudar novos meios de vida, dando forma aos seus sonhos mais ousados, criando, transformando, na intenção de melhorar o mundo, de trazer mais progresso, de promover cultura e tecnologia.
O homem se destaca pela sua capacidade de criar e recriar novas tecnologias que venham satisfazer suas necessidades.
Jardim se destacou neste sentido por meio de um gênio chamado Manoel Pereira Matias (Nezim), que foi motivo de orgulho para sua família e muitos jardinenses que valorizam as mentes criadoras.
Manoel Pereira Matias (NEZIM) filho de Alcides Pereira Matias e maria Pereira Matias, natural de jardim, desde cedo trabalhou no ramo de serralharia, alimentando também o sonho de criar seu próprio carros com os recurso disponíveis que possuía.
Foi então que no ano de 1986, começou a projetar o seu primeiro carro a partir de um estico de triciclo, mas sua experiência foi um fracasso. Porém Nezim não desistiu e três anos mais tarde iniciou um outro, sendo que este já se movia impulsionado por um motor de casa de farinha. Mais uma vez nada dera certo.
Nezim não desistia, continuava colocando em prática seu sonho, dotado de uma paciência que só os gênios possuem. E foi então que em 1991 dava inicio a um novo projeto, e desta vez a sua ousadia genial ia longe. Nezim projetou e deu inicio a sua nova façanha: adaptar o motor de uma moto para um carro.
A primeira coisa que ele disse ter feito, foi procurar colocar a marcha “RÉ” no motor da moto, coisa que todos sabem não existe, mas ele conseguiu, provando mais uma vez a capacidade criadora do homem.
Logo depois, passou a fabricar o comando de direção do pequeno automóvel, trabalho todo artesanal. As engrenagens altamente complexas para as manobras, como acelerador, direção e principalmente a fuzilagem que forma o design do carro, tudo feito em máquinas que ele mesmo desenvolveu para sua própria mão de obra.
Entre outras criações, possuiu dentro do seu estabelecimento, muitas outras invenções da sua mente genial que o ajudaram no trabalho que desenvolveu aqui em Jardim.
Nezim morreu em 03/07/2002 aos 36 anos.

“Vejo com clareza e em perfeito funcionamento, o que imagino fazer, mesmo sem saber por onde começar.”
Nezim