19 de mai de 2014

Uma verdadeira amiga nunca morre, permanece do lado esquerdo do peito


Homenagem Póstuma a Araci Januária de Menezes - por Ademir Cordeiro de Menezes(Saney)

Araci, é com nossos corações partidos de dor e saudades que, há sete dias, nos despedimos de você, exatamente na hora mais sublime do dia, 18 horas, hora do Ângelo, do recolhimento, do silêncio, da entrega a Deus, no dia das mães, mês de maio, mês de Nossa Senhora.

Ainda bastante entristecidos com a sua ausência, tendo em vista que você fazia parte de nossas vidas e a vimos partir para a casa do Pai, conforta-nos ter o próprio Deus feito consolo e generosidade, em cujas mãos seguramos, e que, direcionando nossas mentes para o que você plantou de bom na sua família, no seu ciclo de amizades, em Jardim, no sertão de Serrita, de onde você veio, e em outros lugares, é o que nos deixa fortalecidos e confortados.

O maior legado que você nos deixa é o seu caráter de mulher, firme na luta e na fé, sem nunca desistir de viver fazendo amizades, curtindo a vida, passeando e alegrando os outros nos natais, nos anos novos, nas copas de mundo, nos carnavais, nas semanas santas, nos aniversários, de suas amigas e amigos. E para nós, difícil é superar dolorosa perda, mas confiamos em Deus, que nos conforta e nos torna alegres e semelhantes a você~e em tantas ocasiões da vida.

Araci estudou no CEPA - Centro Educacional Padre Aldemir desde as séries iniciais, formando-se professora e começando a lecionar nesse mesmo estabelecimento de ensino, na época chamado Ginásio Padre Miguel Coelho e Escola Normal Padre Aldemir. Depois transferida para a Escola Dr. Romão Sampaio,realizou eficientemente o ofício de professora, na esperança de ver seus alunos bem promovidos no âmbito acadêmico, moral, social e espiritual, das séries iniciais às terminais do 2º grau. Na sua família exerceu o papel de mãe, de pai, de irmã, de tia e educadora, um legado que causava admiração nas pessoas.

Por cinco incansáveis anos, sem nunca se deixar abater nem pela tristeza, nem pelo desânimo, enfrentou uma luta pela vida até o último instante de cabeça erguida, quando Deus a convidou para estar à sua direita no reino da Glória, perto de Jesus e de Nossa Senhora.

Araci, você nos repassava alegria, com o seu jeito de ser, de realizar, e era de um coração amigo e acolhedor. nenhum tesouro, , nem a mais rica das mansões valem mais que os nossos amigo.

Nestes dias de dor e antes, grandes amigos e amigas a ajudaram, visitando-a na nossa casa, nas clínicas e hospitais, o que nos faz manifestar nossa gratidão, carinho e consideração por esta gente maravilhosa que a ela levou calor humano, conforto, uma garrafa de água filtrada, um caldo bem preparado, uma conversa sadia, um momento de oração, uma brincadeira que a fazia sorri, mesmo no dilema da dor.

Representando a minha minha família, nas pessoa de minha irmã Donizete, cujo esforço em acompanhá-la e ajudá-la foi grandioso, de meu irmão Quintino Filho, de meus sobrinhos Paulo, Dihego e Quintino Neto, de minhas sobrinhas Lucinha, Kelly e Leninha, venho manifestar aos amigos e amigas de Araci e nossos, generosos em servir ao próximo nas dimensões humana, material, moral e espiritual, nossa mais nobre gratidão por tudo o que fizeram por ela, tão próximos de dia e de noite. Então, gostaríamos de lhes dizer que Deus é que lhes recompensará, cobrindo-os de sabedoria, bondade, amizade, saúde, paz e prosperidade.

Ademir Cordeiro de Menezes (Sarney) Em 16 de maio de 2014.